Pequim – 3 dias na capital da China

0
Roteiro e dicas de viagem para visitar Pequim, a capital da China

Pequim (ou Beijing) foi a minha porta de entrada na China. Neste artigo pode descobrir o meu roteiro desses 3 dias, com os principais locais que visitei, dicas para explorar a cidade, onde comer e dormir.

Locais a visitar em Pequim que vai encontrar neste artigo

Chegada a Pequim

Depois de umas intermináveis nove horas no ar, aterro por fim na China. Um sonho antigo começa-se a realizar.

O aeroporto é estranhamente calmo. As câmaras de video-vigilância são omnipresentes e a primeira paragem é numa máquina que recolhe as impressões digitais de quem chega. O controlo fronteiriço é rápido, tal como o alfandegário. Estou na China.

Com a VPN e uma autenticação por SMS consigo ligar-me ao Wi-Fi do aeroporto e falar por Whatsapp com a família. Para terminar as “formalidades” básicas no aeroporto, levanto 500RMB num ATM, compro um bilhete de comboio e metro recarregável e dirijo-me à plataforma.

A viagem até ao centro da cidade demora uns 20 minutos. O sol espreita alaranjado pelo meio de um estranho céu nublado. Lá fora há trânsito, obras e arranha-céus no horizonte. Saio na estação de Dongzhimen, onde apanho o metro até à estação central de Pequim. Quero antes de mais levantar os bilhetes de comboio que comprei on-line antecipadamente.

Estação comboios Pequim
Estação de comboios de Pequim

Na praça em frente há muita gente, policias e militares, mas lá dentro tudo é calmo. Há um guichet com um funcionário que fala inglês, mas nem era necessário, pois basta dar o passaporte e o código de reserva para obter os bilhetes.

Praça Tiananmen

Volto ao metro para ir até à praça Tiananmen. As distâncias em Pequim são enormes e é mesmo fundamental usar transportes. Não dá para andar só a pé. Mesmo assim, acabei sempre por chegar ao fim do dia exausto.

Nem tinha noção do tamanho da praça. Por estar a decorrer uma visita oficial ou outra cerimónia semelhante, a entrada na praça em si está fechada. Só se pode circular por fora.

Praça Tiananmen com retrato de Mao
A Praça Tiananmen e o portão da Paz Celestial com o retrato de Mao

No centro encontra-se o túmulo de Mao, que gostaria de ter visitado, mas que acabou por não ser possível. Para me aproximar da entrada da Cidade Proibida, ao topo da praça, é necessário apresentar o passaporte e passar por um controlo de segurança.

Como pretendo voltar no dia seguinte, perco pouco tempo aqui e volto a apanhar o metro em direcção ao Templo do Céu.

O Templo do Céu

Compro o bilhete por 20RMB e entro no enorme parque que rodeia este complexo de templos. Há muita gente que vem até aqui só para passear pelos jardins, havendo por isso um bilhete mais barato só para os jardins.

Templo do Céu em Pequim, China
Sala de orações pelas boas colheitas no Templo do Céu, Pequim

Este é o maior complexo de templos Taoistas de Pequim sendo também classificado como Património da Humanidade pela UNESCO. Assente sobre três patamares de mármore branco, a sala de orações pelas boas colheitas, de forma circular, é o edifício mais conhecido.

Edifícios no templo do Céu
O colorido dos edifícios no complexo do Templo do Céu

Daqui caminho ainda até ao grande altar circular onde as pessoas fazem fila para tirar um fotografia no seu centro, tido como o centro do paraíso.

O recinto é enorme e acabo por visitar apenas uma pequena parte. A mochila começa a pesar e as pernas a queixarem-se. O Jetlag está a atacar.

Hutong Nanluoguxiang

Para alojamento nestes dias em Pequim escolhi ficar no Peking Youth Hostel, localizado no Hutong Nanluoguxiang. Os Hutong são as “ruas estreitas” da cidade, bairros que ainda mantêm o traço da antiga Pequim, com pequenas ruas e becos de casas baixas que contrastam com os arranha-céus e largas avenidas que dominam a Pequim moderna.

Hutong em Pequim
Entrada no Hutong Nanluoguxiang em Pequim

Actualmente são ruas muito populares entre os turistas e moradores locais para comércio e diversão. Nas montras há doces de aspecto delicioso, roupa e artesanato, algum dele feito mesmo ali em frente aos curiosos.

Faço o check-in, descalço as botas e adormeço na cama.

Hotong em Pequim
Ruas pedonais no Hutong Nanluoguxiang
Artesãos num Hutong em Pequim
Artesãos a trabalhar o metal no Hutong em Pequim

Templo Lama de Yonghe

Acordo a meio da tarde e saio com o objectivo de visitar o Mosteiro de Yonghe, mais conhecido como Templo Lama. Não tinha grandes planos para esta tarde já que é sempre imprevisível a recuperação do Jetleg. Este templo foi o que me pareceu mais interessante de visitar, a uma distância precorrível a pé.

São 2,5 quilómetros por ruelas calmas, rasgadas de vez em quando por alguma avenida mais larga. Passo ainda à porta do Templo de Confúcio que parece merecer também uma visita, mas não paro.

Templo Lama
Edifício do Templo Lama em Pequim

Após comprar o bilhete por 25RMB, um corredor de Ginkgo Biloba douradas conduzem-me à porta do templo. Há muitos turistas e peregrinos, monges budistas e estátuas douradas. O fumo do incenso perfuma o local enquanto sobe para os deuses. Os edifícios vermelhos numa mistura de arquitectura tibetana e chinesa, fazem-me aterrar definitivamente na China.

Monge queimando incenso no templo Lama
Monge budista queimando incenso no templo Lama

Os guias referem-no como sendo o mais interessante templo de Pequim. Embora não visite mais nenhum templo na cidade (para além do Templo do Céu), saio daqui com a sensação de que é verdade.

Peregrinos no templo Lama
Peregrinos orando no templo Lama em Pequim

As torres do Sino e do Tambor

Do templo Lama apanho o metro e passo ainda junto das torres do Sino e do Tambor que já estão fechadas. Anoitece.

Janto uma taça de noodles demasiado picantes para o meu palato e vou dormir pelas 7 da tarde.

Segundo dia em Pequim

No segundo dia em Pequim visitei:

  • Cidade Proibida
  • Palácio de Verão

Apanho o metro para a estação de Tian’anmen Este, bem próximo da entrada na Cidade Proibida. Acabei por chegar um pouco mais tarde do que queria e fico estupefacto perante o cenário com que me deparo.

Milhares de pessoas organizadas em grupos esperam para passar sob o mais famoso retrato de Mao na porta da Paz Celestial. A multidão de proporções bíblicas arrasta-me até ao interior do primeiro pátio onde procuro desesperadamente pela bilheteira.

Pessoas na porta da Paz Celestial, Cidade Proíbida
Milhares de pessoas aguardam para passar a porta da Paz Celestial e entrar na Cidade Proibida

Com a revolução digital que se faz sentir na China como em nenhum outro local do mundo, os bilhetes físicos foram substituídos por bilhetes digitais. O que eu devia ter feito era pedir no hotel para me fazerem a reserva, até porque as entradas esgotam rápido, tal é a afluência de visitantes.

Depois de desesperar durante alguns minutos, por não encontrar qualquer indicação nem ninguém que falasse inglês, lá descobri a bilheteira, do lado direito antes do Portão Meridiano. Pago o ingresso, nem tão pouco há bilhete físico. Basta apresentar o passaporte à entrada.

Guardas na Cidade Proibida em Pequim
Guardas alinhados no interior da Cidade Proibída, Pequim

Facilmente passo a manhã a visitar o espaço, sem conseguir ver nem metade do pouco que está aberto ao público. Uma visita exaustiva levaria mais do que um dia inteiro.

Mural dos nove dragões na cidade Proibida
Pormenor do mural dos 9 Dragões na cidade Proibida de Pequim

Algumas zonas e exposições requerem a compra de um bilhete extra, como é o caso da exposição da colecção de relojoaria ou, do tesouro, onde se pode ver o belo mural dos 9 Dragões.

Palácio de Verão

A tarde deste segundo dia foi dedicada ao palácio de Verão. Na verdade foi só o final da tarde, porque entre o almoço, levantar dinheiro e a viagem de metro até lá, acabei por chegar já a tarde ia avançada. Adquiro o bilhete simples pois a esta hora já nem me vendem o que inclui a entrada nos edifícios.

templos na colina da longividade, palácio de Verão
A subida à colina da Longevidade faz lembrar os templos tibetanos
Lago no palácio de Verão
Lago artificial nos jardins do Palácio de Verão

O Palácio de Verão fica nos arredores da cidade, mas é aqui que sinto pela primeira vez o intenso smog que invade as cidades chinesas. Subo a Colina da Longividade. Do outro lado acabo por comprar o bilhete para aceder ao grande Pagode do Incenso Budista.

Edifícios palácio de Verão de Pequim
Vista sobre os telhados do Palácio de Verão com o lago Kunming ao fundo

Deste que é um dos edifícios mais vistosos do complexo consegue-se ter uma vista sobre o lago Kunming, onde imensos barcos passeiam.

Palácio de Verão em Pequim
Vista do lago no Palácio de Verão de Pequim

Descanso um pouco nas margens do lago. Um homem pinta caracteres no chão com um pincel e água. Uma escrita efémera da qual mesmo não percebendo o significado, tem um quê de poético.

Caracteres chineses escritos com água no chão
Homem a escrever no chão caracteres chineses com água

Terceiro dia em Pequim: A Grande Muralha

O terceiro dia em Pequim não foi passado na cidade, mas sim a visitar a Grande Muralha. As secções mais conhecida da Muralha ficam nas montanhas em redor da cidade e são de visita obrigatória para quem vem à China.

Com distâncias à cidade a variar entre os 50 e os 13 quilómetros, Badaling,Mutianyu, Jinshanling,Simatai e Huangyaguan são as mais populares.

A minha escolha recaiu em Mutianyu, e Jiankou, uma secção contígua, não restaurada. Pode ler mais sobre a minha experiência na muralha da China neste artigo:

Muralha da China: do lado selvagem de Jiankou à recuperada Mutianyu

Muralha da China em Mutianyu
Muralha da China em Mutianyu

Terceiro dia em Pequim

Depois destes três dias em Pequim continuei a minha viagem pela China, tendo regressado à capital no último dia. Cheguei de comboio vindo de Luoyang e apanhei de imediato o metro para o local que seria o “encerramento oficial” desta viagem.

Ponte Marco Polo

A Ponte Lugou, é normalmente conhecida pelo nome do viajante europeu que a deu a conhecer ao mundo: Marco Polo.

Saio do metro na estação mais próxima, Dawayao, mas ainda assim são dois quilómetros de caminhada até à ponte. Felizmente, as últimas centenas de metros são nas ruas da cidade de Wanping, sem trânsito e rodeado de arquitectura tradicional. Há ainda um museu relativo à guerra entre a China e o Japão, que teve um importante episódio precisamente na ponte Lugou.

Pago os 20RMB e entro. Não está quase ninguém no local e eu, acho que não podia ter escolhido local melhor para terminar esta viagem. Este foi um dos locais que mais impressionou um dos primeiros europeus a vir até aqui. Mais que tudo o resto foi esta ponte que o impressionou. Antes, como agora, nem sempre são as grandes obras que impressionam os viajantes. Há muita riqueza nos pequenos detalhes.

A beleza dos leões que a ladeiam pode estar hoje diluída na poluição e no ruído do trânsito. A sua beleza pode ser questionável quando comparada com toda a grandeza da China. O certo é que este será sempre um símbolo do espanto que causa o encontro com uma cultura diferente.

Pequim Moderna

Para queimar os últimos cartuchos apanho o metro até à estação de Jintaixizhao na zona mais moderna da cidade.

Envoltos na poluição e nevoeiro que se faz sentir, consigo vislumbrar as silhuetas de alguns arranha-céus e edifícios emblemáticos da arquitectura, como é o caso da sede da CCTV.

O trânsito caótico e as ruas com pouco interesse convidam-me a partir daqui e a voltar para o hotel antes do voo de regresso a Portugal na manhã seguinte.

Transportes

Do aeroporto para a cidade

O aeroporto Beijing Capital International Airport é o principal da cidade e tem 3 terminais. Os terminais 2 e 3 têm ligação à estação de Dongzhimen, na cidade, onde há também metro e autocarros.

Há comboio a cada 10 minutos e a viagem demora cerca de meia hora. O bilhete custa 25RMB por trajecto e pode ser pago com o cartão que apresento abaixo.

Comboio aeroporto Pequim
No comboio do Aeroporto de Pequim para o centro da cidade

Metro em Pequim

Como as distâncias são enormes é fundamental usar transportes públicos, sendo o mais prático, a meu ver, o metro.

A rede é muito eficiente e os comboios frequentes. À entrada de cada estação há sempre uma revista com passagem por detector de metais e passagem de bagagem por raio-x. Se andar sem bagagem pode evitar as filas e ir directo ao detector de metais.

Recomendo a compra de um cartão recarregável como o da imagem pois torna muito prático o uso dos transportes já que não tem de andar a comprar um bilhete em cada viagem.

Comprei o meu na estação de Dongzhimen assim que cheguei, mas só depois vi que podia ter comprado logo no aeroporto e usado na viagem até ao centro da cidade. São vendidos nos guichets e podem ser recarregados nas máquinas automáticas.

Para obter um é necessário deixar um depósito de 20RMB, que é devolvido quando devolver o cartão. Eu devolvi o meu no aeroporto e reavi os 20RMB mais o saldo que ainda sobrava no cartão. Ao que parece isto só é possível se o saldo for inferior a 100RMB, caso contrário é necessário ir ao banco.

Autocarro em Pequim (e arredores)

O cartão pode também ser usado nos autocarros e ao que parece o valor descontado é metade do que é cobrado se pagar em notas.

Dentro da cidade não usei autocarro, mas para a ir à Graned Muralha usei-o. Isto porque o cartão é válido nos transportes da área metropolitana de Pequim (que é muito grande…).

A alternativa é pagar em notas, que se introduzem numa caixa que há à entrada do autocarro.

Onde dormir em Pequim

O alojamento em Pequim é bastante caro, especialmente quando comparado com outros locais do país. A procura é também imensa, pelo que é essencial reservar com alguma antecedência, pois as melhores opções ficam ocupadas com algumas semanas de antecedência.

Peking Youth Hostel
Entrada florida do restaurante do Peking Youth Hostel

Eu optei por ficar no Hutong Nanluoguxiang, no Peking Youth Hostel. O preço que paguei por 3 noites em dormitório foi de 450RMB. É certo que há hostels mais baratos, mas este é um local excepcional que valeu cada cêntimo. Tanto é que, para a última noite antes do regresso, optei por voltar a reservar cama ali.

No rés-do-chão há um excelente restaurante que serve deliciosos pratos ocidentais. Uma óptima opção para quem acabou de chegar e ainda se está a adaptar à comida chinesa.

O espaço está sempre decorado com imensas flores naturais que dão ao espaço um ambiente óptimo para relaxar depois de um dia de visitas.

Diário de viagem em Pequim
Escrevendo o diário de viagem ao fim do dia em Pequim


Este artigo pode conter links afiliados.

Kit de Viagem

Quer organizar a sua viagem e ao mesmo tempo ajudar o projecto Dobrar Fronteiras? Siga os links abaixo para a suas reservas de hotéis, carros e seguros de viagem. Obrigado!

  • Reserve o seu hotel no Booking.com
  • Alugue carro no destino em Rentalcars.com e viaje com mais liberdade
  • Contrate um seguro de viagem na IATI Seguros com desconto de 5% e viaje descansado.
  • Esqueça as taxas e comissões absurdas para levantar dinheiro no estrangeiro. Obtenha através deste link um cartão Revolut Grátis
Olá! Eu sou o Samuel, autor do artigo que acabou de ler. Como você, também gosto de viajar e descobrir povos e lugares. Partilho neste blog as experiências vividas nos vários países por onde já andei. Pode saber mais sobre mim na página Sobre o autor. Espero que tenha gostado e, se tiver alguma coisa a acrescentar, deixe um comentário abaixo.

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.