Viajar de autocarro da Itália para a Roménia na Eurolines

2

Com a expansão das companhias de aviação de baixo custo, viajar de autocarro ou comboio pela Europa caiu em desuso nos últimos anos, já que o avião alia a rapidez ao baixo custo. Se o comboio ainda mantém alguma popularidade, especialmente para o mítico interrail, o autocarro, especialmente para longas distâncias é visto apenas como último recurso.

Em Maio de 2010 acabei a viajar de autocarro de Milão para Brasov depois de ver o meu voo Milão – Sófia cancelado devido a uma greve em França. Quando vi que tinha ficado em terra comecei a pesquisar que alternativas teria para chegar ao meu destino por terra, já que um re-agendamento do voo iria fazer-me esperar alguns dias, e eu queria era viajar. Assim, lembrei-me de ter lido na net que era possível viajar de autocarro da Bulgária para Portugal em linhas regulares de autocarro, logo, deduzi eu, também o seria de Itália para a Bulgária. Encontrei assim autocarro de Milão para Sófia, mas que só saía daí a dois dias. Como estava no primeiro dia da minha viagem, e ansioso por conhecer novos locais, acabei por optar ir para Bucareste no dia seguinte e depois apanharia comboio para Sófia.

Acerca da Roménia apenas me lembrava que era lá o castelo do Drácula. Assim, telefonei a uma amiga que me arranjou as informações necessárias para lá chegar. Por sorte, a rota do autocarro passava mesmo por Brasov, a cidade junto ao castelo, e por isso parei logo ali, tendo seguido para Bucareste apenas no dia seguinte.

Todos os passageiros à excepção dum grupo de Italianos turistas que entrou em Pádova e de mim, eram Romenos, pelo aspectos trabalhadores emigrantes em França, que usam o autocarro para se deslocar para a sua terra. O próprio autocarro e tripulação era romena.

Bilhetes e garagem Eurolines em Milão

Comprar bilhetes de autocarro Eurolines em Milão é muito fácil: basta ir ao posto de turismo na praça do Duomo e eles tratam de tudo. A reserva é feita pela net, mas assim evita de ir a um cybercafé. Eles imprimem, pode pagar em dinheiro e recebe logo um mapa do local onde fica a garagem.

Autocarro Eurolines de Milão para a Roménia

Os autocarros partem da garagem de Lampugnano, onde se pode chegar de metro. Também aí pode comprar o seu bilhete e obter informações.

O autocarro em que eu fui, vinha de Marselha, e tinha partida prevista para as 13:30, mas acabou por sair com 2 horas de atraso. No entanto as chegadas na Roménia já se efectuaram às horas previstas.

Pode também comprar o seu bilhete online em: http://www.eurolines.com/

Preço da Viagem

  • Milão – Bucareste (Jovem): 76,50€  (em Maio 2010)
  • Milão – Bucareste (normal, Agosto 2010): 103€
  • Milão – Bucareste (Jovem, Agosto 2010): 92,70€

O preço para Brasov é o mesmo.

Como é a viagem

Ia um bocado apreensivo quando entrei nesta aventura de mais de 30 horas num autocarro. O máximo que já tinha feito eram 12 horas na Turquia. Ainda assim, não foi difícil. Os bancos dão para inclinar até quase à horizontal, dando para dormir durante a noite. Durante quase toda a viagem se vêm os filmes dos DVD’s piratas que eles transportam, e há paragens de 15 a 20 minutos a cada cerca de 3 horas, para mudar de condutor, comer, reabastecimento, descanso. À chegada à Roménia os passageiros são distribuídos por dois autocarros, conforme o seu destino.

Itinerário

Partida Milão: 15:20   –   Pádova (18:50)   –   Veneza   –   Fronteira Eslovénia (ao anoitecer)   –   Ljubliana   –   Maribor   –   Fronteira Hungria   –   Budapeste   –   Fronteira Roménia (7:00)   –   Arad  –  Brasov (19:00)   –   Bucareste (22:30)
O autocarro apenas fez paragem para recolha de passageiros na Itália e Roménia. De resto, foi sempre a andar! 🙂

Ver milao brasov num mapa maior

A minha viagem em 2010

Adormeci longe do conforto da minha cama, dentro de um autocarro alguns minutos depois de parar numa área de serviço na Eslovénia. Sonhei dobrar a fronteira para a Hungria, passar ao largo de Budapeste e agora que acordo descubro que tudo isto era realidade. Sonhei acordado e o meu sonho tornou-se realidade. Ao lado da autoestrada que rasga a planície, estendem-se quilómetros de campos de cereais e pequenas florestas. Tudo verde, tudo harmonioso como num quadro. O sonho desta minha realidade não me deixou dormir devidamente esta noite, por isso vou dormindo e sonhando mais.

fronteira hungria romenia
Fronteira entre a Hungria e a Roménia

Cruzo a fronteira para a Roménia em Arad, já consciente, e entro numa realidade diferente. De repente sinto-me recuar alguns anos até uma Europa onde ainda há fronteiras e guardas fronteiriços a controlar os passaportes e casas de câmbio. Lembra-me as idas a Espanha com os meus pais quando era pequeno.

Depois de cruzar a fronteira recuo mais uns anos ainda: o alcatrão é de fraca qualidade, nas estradas principais só há uma faixa para cada lado onde circulam os carros na sua maioria dos anos 70 e 80 que se desviam das galinhas e crianças que brincam nas bermas e ultrapassam o carros de bois e burros. Em Arad fazemos uma paragem. São 9:50 da manhã. Alguns passageiros saem logo aqui e os restantes são divididos por dois autocarros. Cambio dinheiro a um funcionário da companhia e mudo para um autocarro mas simples e menos confortável. O céu está cinzento e chove frequentemente com bastante intensidade.

Desde que se tornou necessário vir à Roménia tenho andado a pensar ir visitar o único local deste país de que já ouvi falar: o castelo do Drácula.

Ainda poucos dias antes de sair tinha estado a falar dele com uma amiga que o adorava visitar, mas não sei onde fica nem como chegar. Envio-lhe um sms e poucos minutos depois, à mistura com muita inveja lá vem a resposta:

Aqui vai: o castelo de Bran fica na vizinhança da cidade de Brasov. Fica na fronteira da Transilvania e Valaquia pela estrada 73 incravado na floresta do sopé dos Cárpatos. Uma colega disse-me ontem que o castelo é pequeno… Mas vale a pena a paisagem. Espero ter ajudado… Bjs e não te percas por essas terras estranhas. ps: tira mts fotos 🙂 “.

Paisagem da Roménia a bordo do autocarro da Eurolines

Era tudo o que precisava de saber. Pela estrada há camiões carregados de colmeias e ao fundo, quando o cinzento permite, vêm-se cumes cobertos de neve. Pelo mapa que fotografei em Itália começo a ver que me dirijo a Brasov. Assim, não terei de ir a Bucareste e voltar atrás. Meto conversa com o novo colega de banco que me acompanha desde Arad. Fala algum inglês e explica-me tudo o que preciso para chegar a Bran, mas avisa-me logo que poderei ficar desiludido com o castelo.

Saio do autocarro para o primeiro contacto a sério com a Roménia. Feito burro, em vez de ir directo à paragem dos autocarros que vão para Bran, como me foi explicado, acabo por ir nas conversas dos taxistas e entro num táxi que me promete levar ao castelo por 3,5LEI (isto é menos de 1€).

Negoceio isto com um taxista que fala inglês perfeito, mas inicio a viagem com um outro que só fala Romeno. Como qualquer taxista, estes também “só me queriam ajudar” até porque depois das 19:00 “já não há autocarros para Bran”. Cerca de um quilómetro depois, comprovo que ele afinal quer mesmo é os 3,5Lei por quilómetro como eu já desconfiava. Ainda me põe ao telefone com o outro, mas acabo por os insultar em português e aproveito quando ele abranda num stop para saltar do táxi e regresso a pé. Na autogar Codreano, lá estão os autocarros para Bran, e o último só sai ás 20:15, por ser Sábado e Verão. Vejo nos táxis cá fora que afinal o preço por quilómetro é 1,35Lei. Filhos da … romena, penso. O autocarro, esse sim é barato: 4Lei.

Castelo de Bran à noite

Chego a Bran já ao anoitecer. Ainda dou uma olhada pelos hotéis, mas parece-me tudo caro demais e por isso decido procurar um local abrigado para dormir. Não tenho medo de vampiros nem de histórias do além. Na verdade, nem conheço essas histórias mas admito que o castelo, agora ao lusco-fusco já iluminado e envolto por uma ligeira névoa, encantaria e assustaria muitos.

O que me assusta mesmo são uns cães enormes que perseguem a mim e a outras das poucas pessoas que há na rua. Está frio. Compro pão, mortadela e cerveja e janto ali mesmo ao lado do castelo num alpendre de madeira que serve de paragem de autocarro. É o local ideal para dormir.

Nas minhas viagens levo sempre uma colchonete insuflável e o meu saco cama, que ocupam pouco espaço e me permitem dormir confortavelmente em qualquer lugar. Ainda é cedo, são 9:30, mas a noite está calma e preciso de descansar, até porque o primeiro autocarro parte daqui antes das 6 da manhã. Deito-me.

Ainda estou a ajeitar o casaco que me serve de almofada quando pára um carro ali mesmo à frente de onde sai uma senhora, ficando o homem no carro. É a dona da loja que fica ali no mesmo alpendre. Assusta-se com a minha presença. Não fala inglês, apenas romeno, mas parece que está com medo que eu seja atacado por vampiros, não que eu seja um. Isso é bom. Vai falar com o marido ao carro e depois volta junto de mim. Por gestos e romeno, convida-me para ir dormir a “mi casa”. Bom, nem quero acreditar. Um anjo em terra de demónios. Parece que hoje a sorte voltou a estar comigo.

Entro no carro e vamos até casa dela. É ali perto. Não é grande, é enorme e ao lado tem uma pequena casa com uma sala e uma cozinha. É aí, no sofá, que eu fico. Prepara-me um chá e chama a filha, que fala inglês perfeito e sem mais perguntas para além da minha origem, me diz que posso ali ficar sem pagar nada.

Este artigo pode conter links afiliados.

VAMOS VIAJAR?

Olá! Gostou do que leu? Subscreva a minha newsletter e receba no seu e-mail as últimas novidades do blog Dobrar Fronteiras.

KIT DE VIAGEM

Quer organizar a sua viagem e ao mesmo tempo ajudar o projecto Dobrar Fronteiras? Siga os links abaixo para a suas reservas de hotéis, carros e seguros de viagem. Obrigado!

  • Reserve o seu hotel no Booking.com
  • Alugue carro no destino em Rentalcars.com e viaje com mais liberdade
  • Contrate um seguro de viagem na IATI Seguros com desconto de 5% e viaje descansado.
  • Esqueça as taxas e comissões absurdas para levantar dinheiro no estrangeiro. Obtenha através deste link um cartão Revolut

2 COMENTÁRIOS

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.