Sukhothai, as ruínas do reino da felicidade

0

Com a fundação do reino de Sukhothai em meados do século XIII, nascia aquilo que viria a ser a Tailândia. Sukhotai significa em sânscrito “Despertar da Felicidade”. Seria esta felicidade a dar origem aos famosos sorrisos da Tailândia?

Atingiu o seu auge no reinado do rei Ram Khamhaeng (1279 – 1298), dominando grande parte do território hoje ocupado pelo país. Foi assim introduzido um novo alfabeto e o Budismo tornou-se a filosofia dominante. No século XV viria a ser absorvido pelo reino de Aiutaia, acabando a sua capital votada ao abandono.

Em 1991 a Cidade Histórica de Sukhothai e Cidades Históricas Associadas foram inscritas pela UNESCO na lista de Património da Humanidade.

estátua de Buda e estupas de tijolo em Sukhothai, Tailândia
Manhã calma no parque histórico de Sukhothai

Pelo ar até Sukhothai

Depois de um dia em Banguecoque, aterro no peculiar aeroporto de Sukhothai ao inicio da tarde. Em pequenas viaturas semelhantes a carrinhos de golfe somos transportados do bimotor até ao terminal. Este não é mais que um telheiro rodeado por um jardim zoológico, com as girafas e zebras ali mesmo ao lado.

À minha espera está o Yui que será o meu guia nos próximos dias por esta região do interior norte da Tailândia. A primeira paragem é numa quinta orgânica a poucas centenas de metros para almoçar.

Depois de uma refeição com vista para os campos faço uma visita à quinta. Dos produtos aqui cultivados destaca-se uma variedade de arroz escuro e longo, que os funcionários pacientemente escolhem à mão. Deliciosa, conforme pude comprovar ao almoço.

Finda a visita percorremos os 40 quilómetros que nos separam do parque histórico de Sukhothai. Já resta pouco do dia. Descanso um pouco no terraço do meu quarto. Saímos ao cair da noite para uma visita ao colorido mercado nocturno antes de irmos jantar. A comida é mais uma vez deliciosa.

Visita ao parque histórico de Sukhothai

A forma mais popular para visitar é de bicicleta, que se pode alugar à entrada do parque. A muralha do núcleo principal da antiga cidade define um rectângulo de dois quilómetros de comprimento por um e meio de largura. Dispersas no seu interior encontram-se as ruínas dos principais edifícios da antiga cidade, sobretudo templos, constituindo o parque histórico de Sukhothai.

Há imensos cães, o que ao inicio me preocupa. Estou habituado a que estes me persigam quando ando de bicicleta, aqui com o risco acrescido da possibilidade de transmitirem raiva. Felizmente que estes são completamente alheios aos velocípedes. Devem ter percebido que é uma guerra perdida, tal é a quantidade de veículos de duas rodas que circulam pela Tailândia.

Grande árvore e estupas de tijolo em Sukhothai, Tailândia
Ruínas de Sukhothai
Reflexo de árvores num lago em Sukhothai
Reflexos num dos muitos lagos de Sukhothai

Wat Mahathat

Começo a visita pelas ruínas do Wat Mahathat, o templo central da cidade, rodeado de diversas estupas budistas em forma de sino, estilo característico do reino de Sukhothai. Não custa imaginar a grandeza da época de ouro desta civilização.

estátuas de Buda nas ruínas de Sukhothai
Wat Mahathata – parque histórico de Sukhothai
Estupas e templos budistas nas ruínas de Sukhothai
Wat Mahathata – parque histórico de Sukhothai

Wat Si Sawai

A algumas pedaladas de distância fica o Wat Si Sawai. Inicialmente construído como um templo hindu, tem ainda algumas marcas desse período, como as Lingam, assim como influências da arquitectura Khmer.

Ruínas com influência hindu no parque histórico de Sukhothai
Wat Si Sawai – Parque histórico de Sukhothai
Ruínas com influência hindu no parque histórico de Sukhothai
Wat Si Sawai – Parque histórico de Sukhothai

Wat Sa Si

Construído no meio de um lago (todo o parque tem imensos lagos que serviam como reservatórios de água para a cidade), destaca-se a grande estupa e, uma estátua de bronze aqui encontrada, representando Buda a caminhar. Dizem ser uma das mais belas representações de Buda existente.

Estátua de Buda Sentado nas ruínas de Sukhothai, Tailândia
Buda espreita por entre as colunas de Wat Sa Si – Parque histórico de Sukhothai
Estátua de Buda caminhando as ruínas de Sukhothai, Tailândia
Belíssima estátua de Buda caminhando em Wat Sa Si – Sukhothai

O rei Ram Khamhaeng

A última paragem no interior do parque histórico é junto da estátua do rei Ram Khamhaeng. Este reinou no final do século XIII, o período mais próspero do reino de Sukhothai e é tido como o criador do alfabeto tailandês.

Monumento com estátua do rei Ram Khamhaeng em Sukhothai
Monumento ao rei Ram Khamhaeng em Sukhothai

Wat Si Chum

Poucas centenas de metros a norte do parque histórico fica o mais impressionante dos templos de Sukhothai: Wat Si Chum. Aqui paga-se novamente 100Baht para entrar. A bicicleta essa, pode ficar à porta: o espaço é pequeno.

À sombra de um enorme mangueiro está o templo que me trás até aqui. Assim que entro consigo logo ver os olhos do Buda que espreitam pela pequena fenda das paredes que o envolvem.

Lá dentro somos esmagados pela sua grandiosidade. Quinze metros de altura, onze de largura, entalados em quatro grossas paredes de tijolo. Assim é o Buda sentado de Wat Si Chum: razão suficiente, per si, para colocar Sukhothai no roteiro de viagem pela Tailândia.

Templo com Buda e grande árvore
Wat Si Sum – a grandiosidade de Sukhothai
Estátua de Buda sentado gigante
Wat Si Sum – a grandiosidade de Sukhothai
Estátua de Buda sentado gigante
Wat Si Sum – a grandiosidade de Sukhothai
Estátua de Buda gigante a espreitar
Buda espreita pela pequena friesta de Wat Si Chum

Pedalar mais

A visita a estes locais ficou terminada antes de almoço. A ideia era aproveitar a tarde para descansar, mas nem a fabulosa piscina do hotel Le Charme Sukhothai me convenceu a ficar. Acabei por alugar uma bicicleta, desta vez no hotel, e ir pedalar mais um pouco.

Faço uma pequena paragem num templo que se mantém activo e não em ruínas, logo à entrada do parque histórico, antes de seguir para o museu.

Ponte de madeira com monge budista
A ponte dá acesso ao templo

Museu de Sukhothai

Junto à entrada do Parque Histórico que visitei de manhã, fica o Museu Nacional Ram Khamhaeng. Este começa por contar a história das escavações e trabalhos de recuperação das ruínas levados a cabo nos anos 1950.

Nos dois edifícios que o compõem encontram-se expostos alguns dos artefactos aqui encontrados, respeitantes aos vários períodos e influências dos povos que por aqui passaram. Especial destaque é dado também ao alfabeto tailandês aqui criado pelo rei Ram Khamhaeng (como já referi acima), que dá nome ao museu.

sala de museu de Sukhothai
Sala do museu de Sukhothai fala da recuperação das ruínas

Wat Sorosak – o templo dos elefantes

Do museu, pedalando para norte, deparei-me com o belíssimo Wat Sorosak. A terra vermelha, as grandes árvores que o rodeiam e o calor que se faz sentir, fazem-me lembrar África. Só a arquitectura não deixa dúvidas de que estou na Ásia. A particularidade deste é ser suportado por belas estátuas de elefantes. Um ponto de paragem obrigatória.

Estupa budista com elefantes em Sukhothai
O encantador Wat Sorosak e os seus elefantes

O sector norte de Sukhothai

Saindo das muralhas da antiga cidade, chego ao sector norte. Este é bem menos visitado. Há menos para ver, mas tendo um dia inteiro em Sukhothai, vale a pena a visita. O custo da entrada é novamente 100Baht, mais 10Baht para a bicicleta.

As ruínas aqui estão muito degradadas e são bem menos impressionantes que as do sector central. Destas destaca-se o Wat Phra Phai Luang, um templo hindu, de arquitectura Khmer, anterior à fundação do reino de Sukhothai.

Pedalo de regresso ao hotel. A piscina espera-me ansiosamente!

Ruínas de monumento budista em Sukhothai
Ruínas no sector norte de Sukhothai
de bicicleta em visita às ruínas de Sukhothai
Bicicleta: a melhor forma de explorar Sukhothai
Wat Phra Phai Luang, arquitectura Khmer em Sukhothai

Guia prático para Sukhothai

Onde dormir

Nas duas noites que passei em Sukhothai fiquei alojado no Le Charme Sukhothai Historical Park. Embora ao inicio fosse um pouco apreensivo por este ficar um pouco afastado do centro da povoação, a verdade é que acabei por adorar já que de bicicleta são 5 minutos até à entrada das muralhas. O espaço é muito calmo e relaxante, com uma piscina formidável para descansar depois de um dia a pedalar.

O preço do quarto duplo com pequeno almoço ronda os 50€. Pode encontrar outras opções de alojamento aqui: hoteis em Shukhothai. Há uma oferta muito variada, desde hostels a resorts mais luxuosos.

O repelente de insectos, assim como o cuidado para não deixar janelas abertas é fundamental, especialmente à noite.

quarto de hotel Le Charme Sukhothai
O meu quarto no hotel Le Charme Sukhothai
piscina com elefantes no hotel Le Charme Sukhothai
Um convite ao descanso no hotel Le Charme Sukhothai

Onde comer e fazer compras

Entre a entrada do sector central e a bilheteira do parque histórico encontra-se o mercado nocturno e um sem número de restaurantes e lojas, entre as quais um sempre útil supermercado 7 Eleven.

Embora o pudesse fazer no hotel, acabei por jantar sempre noutros restaurantes, que embora um pouco turísticos, serviam deliciosa comida tailandesa.

Comida tailandesa com vegetais, ananás e lã de carne
Comida tailandesa: sempre deliciosa
mulher em banca em mercado nocturno
Cores, cheiros e sabores no mercado nocturno de Sukhothai

Como chegar

A zona histórica fica 12 quilómetros a oeste da actual cidade de Sukhothai e 40 quilómetros a sul do aeroporto, havendo autocarros a ligar os vários pontos.

Vindo de Banguecoque, o avião é a opção mais rápida (há dois voos diários) e demora menos de uma hora em meia. O comboio pode também ser uma alternativa. Neste caso terá de sair na cidade de Pitsanulok e daqui apanhar um autocarro para Sukhothai.


Viagem com o apoio da Autoridade de Turismo da Tailândia e Associação de Bloggers de Viagem Portugueses

Este artigo pode conter links afiliados.

VAMOS VIAJAR?

Olá! Gostou do que leu? Subscreva a minha newsletter e receba no seu e-mail as últimas novidades do blog Dobrar Fronteiras.

KIT DE VIAGEM

Quer organizar a sua viagem e ao mesmo tempo ajudar o projecto Dobrar Fronteiras? Siga os links abaixo para a suas reservas de hotéis, carros e seguros de viagem. Obrigado!

  • Reserve o seu hotel no Booking.com
  • Alugue carro no destino em Rentalcars.com e viaje com mais liberdade
  • Contrate um seguro de viagem na IATI Seguros com desconto de 5% e viaje descansado.
  • Esqueça as taxas e comissões absurdas para levantar dinheiro no estrangeiro. Obtenha através deste link um cartão Revolut
Olá! Eu sou o Samuel, autor do artigo que acabou de ler. Como você, também gosto de viajar e descobrir povos e lugares. Partilho neste blog as experiências vividas nos vários países por onde já andei. Pode saber mais sobre mim na página Sobre o autor. Espero que tenha gostado e, se tiver alguma coisa a acrescentar, deixe um comentário abaixo.

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.