Amigos do Elefante Asiático: um hospital para gigantes

0
Hospital de elefantes FAE na Tailândia

Hospital dos Amigos do Elefante Asiático: um local bem diferente para ver estes gigantes. Fica próximo de Lampang e foi o primeiro do género no mundo, fundado por Soraida Salwala em 1993.

Manhã em Lampang

Acordo para o último dia desta viagem pela Tailândia. Despeço-me dos belos jardins do Lampang River Lodge após um delicioso pequeno almoço. Um funcionário insiste em levar a pequena mochila que me acompanha. Não estou habituado a estas mordomias, mas não me resta outra hipótese senão aceitar a sua hospitalidade.

Atravessamos o trânsito matinal da ruas de Lampang, especialmente caóticas por estes dias, tal é a quantidade de obras rodoviárias que por aqui decorrem. Seguimos para Oeste pela autoestrada que conduz a Chiang Mai, uma das mais importantes cidades do norte montanhoso da Tailândia. A via sinuosa conduz-nos a um enorme portão ladeado de elefantes. Estamos a chegar.

Assim que entramos cortamos à direita seguindo as placas que indicam o “FAE’s Elephant Hospital, um caminho bem mais modesto que o que segue em frente para o “Thailand Elephant Conservation Center“.

Hospital de elefantes FAE na Tailândia
Placa à entrada o hospital de elefantes da FAE

Amigos do Elefante Asiático

À entrada uma placa informa quem chega: “Não fazemos parte do centro de conservação”. A demarcação daquilo que se faz em ambos os locais é evidente. Aqui trabalha-se por puro altruísmo em prol do bem estar dos elefantes. Os visitantes são bem vindos, mas não se trabalha para eles. Estes devem ainda ter o cuidado de respeitar os limites e não prejudicar o funcionamento do hospital.

A visita ao hospital de elefantes

Encontramos as portas abertas, mas não há propriamente alguém para nos receber. Os funcionários andam ocupados nas suas rotinas. Num ecrã passa um filme que conta um pouco da história do hospital e da sua fundadora: Soraida Salwala.

A fundadora, Soraida Salwala

Com apenas oito anos, Soraida descobriu a sua paixão por elefantes numa viagem de carro com os pais pelo noroeste do país. No percurso passaram por um elefante tombado na beira da estrada depois de atingido por um camião. Soraida, na sua inocência, disse: “Devíamos levá-lo ao hospital!”. O pai respondeu-lhe que não haviam hospitais para animais tão grandes. Pouco depois de passarem ouviu-se um tiro e o pai disse-lhe: “O elefante está agora no céu”.

Este acontecimento marcou-a de tal forma que trinta anos mais tarde, em 1993, viria a fundar os Amigos do Elefante Asiático, um projecto do qual se destaca este hospital.

Soraida Salwala junto de elefante
A fundadora da FAE, Soraida Salwala (C)

As próteses

Um dos trabalhos mais impressionantes aqui desenvolvido é a produção de próteses para elefantes com patas amputadas. A origem desse tipo de ferimentos é quase sempre o mesmo: explosão de minas terrestres, um martírio da guerra ainda muito presente no norte do país junto à fronteira com o Myanmar.

oficina de próteses para elefantes
Oficina de próteses no hospital da FAE

Existe aqui uma oficina de produção destas, penso que única no Mundo. Infelizmente nem todos os elefantes são receptivos a estas próteses, preferindo caminhar em três patas. É o caso de Motala, uma das residentes permanentes que mesmo sem uma das patas frontais, parece manter a alegria de viver aqui no hospital.

Motala, elefanta com pata dianteira amputada na Tailândia
Motala, a elefanta que vive sem uma das patas
Motala, elefanta com pata dianteira amputada na Tailândia
Motala, a elefanta guerreira

As enfermarias

As várias enfermarias encontram-se espalhadas pelo recinto, preparadas para os vários casos que possam ser atendido. Das mais específicas destaca-se a maternidade.

Numa outra pude observar um jovem elefante que viu uma das suas patas esmagada acidentalmente pela mãe. Apenas um dos muitos casos que a fundação trata, quer no hospital, quer pelas unidades móveis que se deslocam pela região.

Elefante bebé com pata aleijada coberto com manta
O pequeno elefante no final do banho

Thailand Elephant Conservation Center

Antes de regressar à estrada para Lampang fazemos um pequeno desvio pela portaria do Thailand Elephant Conservation Center. Aqui tudo é diferente. No enorme parque de estacionamento são inúmeros os autocarros e carrinhas que trazem até aqui os turistas. Enquanto esperam para entrar no parque há já aqui três elefantes que dançam para eles. Lá dentro, dizem-me, há espectáculos de elefantes a dançar ou a pintar, passeios e banhos com os elefantes. Um enorme circo ao ar livre. Regresso a Lampang.

Como Chegar

O Hospital dos Amigos do Elefante Asiático e o Thailand Elephant Conservation Center ficam a meio caminho entre Chiang Mai e Lampang. É possível chegar lá num dos autocarros que fazem a ligação entre as duas cidade, ou de táxi a partir de qualquer uma delas.

Este artigo pode conter links afiliados.

VAMOS VIAJAR?

Olá! Gostou do que leu? Subscreva a minha newsletter e receba no seu e-mail as últimas novidades do blog Dobrar Fronteiras.

KIT DE VIAGEM

Quer organizar a sua viagem e ao mesmo tempo ajudar o projecto Dobrar Fronteiras? Siga os links abaixo para a suas reservas de hotéis, carros e seguros de viagem. Obrigado!

  • Reserve o seu hotel no Booking.com
  • Alugue carro no destino em Rentalcars.com e viaje com mais liberdade
  • Contrate um seguro de viagem na IATI Seguros com desconto de 5% e viaje descansado.
  • Esqueça as taxas e comissões absurdas para levantar dinheiro no estrangeiro. Obtenha através deste link um cartão Revolut
Olá! Eu sou o Samuel, autor do artigo que acabou de ler. Como você, também gosto de viajar e descobrir povos e lugares. Partilho neste blog as experiências vividas nos vários países por onde já andei. Pode saber mais sobre mim na página Sobre o autor. Espero que tenha gostado e, se tiver alguma coisa a acrescentar, deixe um comentário abaixo.

Ficou com dúvidas? Quer acrescentar alguma coisa? Deixe um comentário!

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.